Share: Share on Facebook Share on Twitter Share on LinkedIn I recommend visiting cushmanwakefield.com to read:%0A%0A {0} %0A%0A {1}

Escritórios classes A e A+ do Rio de Janeiro: Centro é o grande responsável por absorção líquida positiva

Renato Almeida • 5/3/2023

O mercado de escritórios classes A e A+ do Rio de Janeiro vem apresentando sinais de melhora, como mostram os útimos relatórios da Cushman & Wakefield. 

Centro RJ

A cidade do Rio de Janeiro seguiu com absorção líquida positiva no primeiro trimestre de 2023, encerrando com acumulado de 22.417 m² no ano. O Centro foi o grande responsável por esse valor, atingindo 20.190 m² e representando queda de 2,25 p.p. na taxa de vacância da região.

Transações refletem interesse pelo Centro
As últimas transações da Cushman & Wakefield na capital carioca foram todas no centro e comprovam as perspectivas de recuperação da região, além de revelar a predominância do movimento flight to quality, no qual os ocupantes saem de prédios inferiores para se instalarem nos classes A e A+. Para saber mais sobre flight to quality clique aqui.

Uma dessas transações foi de uma importante resseguradora, que após um movimento estratégico, vendeu o imóvel histórico que ocupava e se mudou para o Ventura Corporate Towers. Ambas as transações foram conduzidas pela Cushman & Wakefield, que também prestou serviços de Project Development para o projeto e execução da obra do novo escritório.

Uma empresa de logística marítima expandiu sua operação para o dobro do tamanho no Ventura Corporate Towers, hub do oléo e gás na cidade, em sua segunda transação realizada pela Cushman & Wakefield, que também envolveu os serviços de Project Development para o projeto e execução da obra do novo escritório.

Já uma outra empresa, também de logística marítima, saiu de Del Castilho, bairro residencial na Zona Norte do município do Rio, para ocupar o edifício RB1, através de um trabalho ativo da equipe de transações da Cushman & Wakefield no Rio.

Residenciais devem atrair empresas para o Centro
Devem ser entregues cerca de 6 mil unidades residenciais nos próximos anos no Porto Maravilha. A região deve ter quase 16 mil moradores – um aumento de mais de 50% na população, de acordo com a Prefeitura do Rio.

O primeiro residencial anunciado no Porto Maravilha foi o Rio Wonder, em junho de 2021, que deve ser entregue ainda em 2023. Um mês depois houve o lançamento do Rio Energy. Em abril de 2022 o empreendimento Vargas foi anunciado – o terceiro do Porto. Em 2022 foi a vez do Pateo Nazareth e do Porto Carioca serem lançados. Já em 2023 foi anunciado o Epicentro - o sexto lançamento em menos de dois anos na região portuária. Ambos os empreendimentos são da incorporadora Cury. Outras incorporadoras como Encamp e Tishman Speyer também já tem projetos previstos para a região.

Aliás, para quem não sabe, o Projeto Porto Maravilha é fruto de uma Operação Urbana Consorciada que visa a revitalização urbana da Região Portuária do Rio de Janeiro criada pela Lei Municipal 101 de 2009.

Essas unidades residenciais devem ser entregues junto com o Moinho Fluminense, um dos empreendimentos mais aguardados da cidade, em desenvolvimento pela Autonomy Investimentos, com previsão de entrega em 2025. O Moinho vai ser transformado em um espaço multiuso no Porto Maravilha. Em sete andares, o local vai receber escritórios, bares, restaurantes, exposição de artes e um espaço para eventos, conforme matéria veiculada no G1.

Jenifer Almeida, Coordenadora de Transações, conta que a quantidade de pessoas morando na região deve despertar o interesse de trabalho próximo e atrair empresas para o centro: ‘‘O Porto é a solução para quem quer morar perto do Centro e fugir dos altos preços da zona sul’’, diz.

Para ela, esse movimento, aliado a iniciativas públicas e à entrega de todos esses residenciais, deve, entre outras vantagens, diminuir a sensação de insegurança, especialmente em horários não comerciais: ‘‘Essa movimentação deve promover uma maior sensação de segurança e atrair ocupantes para os edifícios corporativos da região, um dos fatores que levou muitos ocupantes para a região da Orla durante a pandemia’’, finaliza.

Iniciativas públicas
Além disso, o poder público tem promovido algumas iniciativas para que o centro volte ao cenário pré pandemia. O projeto Reviver centro é uma delas, bem como incentivos para lojistas, redução de ISS para empresas de tecnologia e educação que se instalarem no perímetro, além da construção do Terminal Intermodal Gentileza, que integrará o sistema do BRT Transbrasil.

Clique aqui para acessar os indicadores completos do mercado imobiliário corporativo de escritórios de São Paulo e Rio de Janeiro, e industrial do Brasil.

ARTIGOS APRESENTADOS

FM Implementacao
Artigo • Facilities Management

Facility Management: como funciona a implementação?

Partindo de uma premissa básica de que nem uma operação é igual a outra, a cada nova implantação precisamos nos atentar a detalhes e particularidades.

Rodrigo Costev • 2/15/2024
Guide Cost
Artigo

Construção civil: principais fatores que têm inflado os custos do setor

Os últimos 12 meses colocaram à prova mais uma vez o mercado de escritórios. A queda nas restrições da cadeia de suprimentos fez pouco para reduzir os custos crescentes e os atrasos nos materiais que continuam a atormentar o ramo da construção civil.

7/26/2023

NÃO ENCONTROU O QUE PROCURA?

Entre em contato com um de nossos profissionais.

A Cushman & Wakefield utiliza cookies para analisar o tráfego e melhorar a experiência de navegação do usuário neste website. Feche este diálogo para confirmar o seu consentimento, ou visite esta página para saber mais:
Informações Importantes sobre cookies

Mais opções
Concordar e Fechar
These cookies ensure that our website performs as expected,for example website traffic load is balanced across our servers to prevent our website from crashing during particularly high usage.
These cookies allow our website to remember choices you make (such as your user name, language or the region you are in) and provide enhanced features. These cookies do not gather any information about you that could be used for advertising or remember where you have been on the internet.
These cookies allow us to work with our marketing partners to understand which ads or links you have clicked on before arriving on our website or to help us make our advertising more relevant to you.
Agree All
Reject All
SAVE SETTINGS

O mercado de escritórios classes A e A+ do Rio de Janeiro vem apresentando sinais de melhora, como mostram os útimos relatórios da Cushman & Wakefield. 

Centro RJ

A cidade do Rio de Janeiro seguiu com absorção líquida positiva no primeiro trimestre de 2023, encerrando com acumulado de 22.417 m² no ano. O Centro foi o grande responsável por esse valor, atingindo 20.190 m² e representando queda de 2,25 p.p. na taxa de vacância da região.

Transações refletem interesse pelo Centro
As últimas transações da Cushman & Wakefield na capital carioca foram todas no centro e comprovam as perspectivas de recuperação da região, além de revelar a predominância do movimento flight to quality, no qual os ocupantes saem de prédios inferiores para se instalarem nos classes A e A+. Para saber mais sobre flight to quality clique aqui.

Uma dessas transações foi de uma importante resseguradora, que após um movimento estratégico, vendeu o imóvel histórico que ocupava e se mudou para o Ventura Corporate Towers. Ambas as transações foram conduzidas pela Cushman & Wakefield, que também prestou serviços de Project Development para o projeto e execução da obra do novo escritório.

Uma empresa de logística marítima expandiu sua operação para o dobro do tamanho no Ventura Corporate Towers, hub do oléo e gás na cidade, em sua segunda transação realizada pela Cushman & Wakefield, que também envolveu os serviços de Project Development para o projeto e execução da obra do novo escritório.

Já uma outra empresa, também de logística marítima, saiu de Del Castilho, bairro residencial na Zona Norte do município do Rio, para ocupar o edifício RB1, através de um trabalho ativo da equipe de transações da Cushman & Wakefield no Rio.

Residenciais devem atrair empresas para o Centro
Devem ser entregues cerca de 6 mil unidades residenciais nos próximos anos no Porto Maravilha. A região deve ter quase 16 mil moradores – um aumento de mais de 50% na população, de acordo com a Prefeitura do Rio.

O primeiro residencial anunciado no Porto Maravilha foi o Rio Wonder, em junho de 2021, que deve ser entregue ainda em 2023. Um mês depois houve o lançamento do Rio Energy. Em abril de 2022 o empreendimento Vargas foi anunciado – o terceiro do Porto. Em 2022 foi a vez do Pateo Nazareth e do Porto Carioca serem lançados. Já em 2023 foi anunciado o Epicentro - o sexto lançamento em menos de dois anos na região portuária. Ambos os empreendimentos são da incorporadora Cury. Outras incorporadoras como Encamp e Tishman Speyer também já tem projetos previstos para a região.

Aliás, para quem não sabe, o Projeto Porto Maravilha é fruto de uma Operação Urbana Consorciada que visa a revitalização urbana da Região Portuária do Rio de Janeiro criada pela Lei Municipal 101 de 2009.

Essas unidades residenciais devem ser entregues junto com o Moinho Fluminense, um dos empreendimentos mais aguardados da cidade, em desenvolvimento pela Autonomy Investimentos, com previsão de entrega em 2025. O Moinho vai ser transformado em um espaço multiuso no Porto Maravilha. Em sete andares, o local vai receber escritórios, bares, restaurantes, exposição de artes e um espaço para eventos, conforme matéria veiculada no G1.

Jenifer Almeida, Coordenadora de Transações, conta que a quantidade de pessoas morando na região deve despertar o interesse de trabalho próximo e atrair empresas para o centro: ‘‘O Porto é a solução para quem quer morar perto do Centro e fugir dos altos preços da zona sul’’, diz.

Para ela, esse movimento, aliado a iniciativas públicas e à entrega de todos esses residenciais, deve, entre outras vantagens, diminuir a sensação de insegurança, especialmente em horários não comerciais: ‘‘Essa movimentação deve promover uma maior sensação de segurança e atrair ocupantes para os edifícios corporativos da região, um dos fatores que levou muitos ocupantes para a região da Orla durante a pandemia’’, finaliza.

Iniciativas públicas
Além disso, o poder público tem promovido algumas iniciativas para que o centro volte ao cenário pré pandemia. O projeto Reviver centro é uma delas, bem como incentivos para lojistas, redução de ISS para empresas de tecnologia e educação que se instalarem no perímetro, além da construção do Terminal Intermodal Gentileza, que integrará o sistema do BRT Transbrasil.

Clique aqui para acessar os indicadores completos do mercado imobiliário corporativo de escritórios de São Paulo e Rio de Janeiro, e industrial do Brasil.